A terra de Babel

Alguns dizem que é só seguir por um caminho tortuoso que começa ali e vai para lugar algum, já outros, que precisamos seguir o curso do rio até as entranhas da floresta longínqua, mas a verdade é que não importa qual seja o caminho que se tome, a única coisa em comum é o fato de ser quase impossível de se chegar. Entre montanhas quase tão altas que tocam o céu e florestas inexploradas dos confins do mundo se encontra uma pequena cidade onde a tecnologia ainda não chegou e a paisagem o homem quase não mudou. Tal isolamento já a torna uma joia rara nos dias de hoje, porém, se não bastasse, ela ainda conta com outro fato quase tão peculiar quanto seu surgimento: cada um de seus habitantes fala uma língua diferente. Como isso é possível? Ninguém sabe. Mas é certo que, mesmo sendo no máximo algumas pessoas de uma mesma família que conseguem se comunicar em um mesmo dialeto, o comércio, as transações e o convívio fluem como se todas se entendessem muito bem e de fato, de algum jeito, se entendem.

Certo dia um forasteiro apareceu. Ele ficou maravilhado com aquele pequeno vilarejo e com as pessoas que o habitavam e logo percebeu que não havia uma língua em comum, que cada um tinha seu jeito próprio de se comunicar. Achou tudo aquilo muito estranho, mas viu uma oportunidade no ar, de onde ele vinha não era ninguém, mas ali, naquele lugar, poderia ser rei se fizesse com que aquelas pessoas perceberem que havia um jeito de todas falarem a mesma língua. Então colocou seu plano em ação: elegeu o idioma que mais lhe agradava, montou uma escola e espalhou a novidade. Em pouco tempo cada vez mais curiosos e inocentes atendiam as suas aulas, querendo conferir o mais novo empreendimento do vilarejo e se encantando com a nova forma de se pronunciar.

Meses se passaram e o forasteiro não poderia estar mais contente, seu plano ia de vento em polpa, quase todos da cidade já falavam a língua que ele havia escolhido e ele era tratado como uma celebridade entre as pessoas. O lugar já mostrava alguns sinais de mudança: novos comércios e oportunidades. Era certo que o vilarejo se expandiria e se continuasse assim, seria reconhecido no mundo moderno e o forasteiro seria o bem feitor que fez com que tudo aquilo acontecesse. Porém coisas estranhas começaram a acontecer junto com a expansão da cidade. Brigas nas ruas, discussões entre vizinhos, pequenos furtos e roubos, que nunca antes foram vistos começaram a aparecer. As pessoas já não eram mais tão felizes, viviam com as caras emburradas e por muito pouco perdiam a paciência uns com os outros. O ódio e o preconceito, nunca antes pronunciados, agora haviam se instalado ali. Já não mais era a mesma cidade que o forasteiro tanto admirara assim que havia chegado a ela. Talvez fosse somente questão de adaptação, logo tudo se ajeitaria novamente, pelo menos assim ele esperava. Contudo, em uma noite de verão, o pior aconteceu. Não soube como começou e nem como proceder, só se lembra de ter acordado em sua casa com os gritos histéricos das pessoas nas ruas e logo correu para ver do que se tratava. Uma das casas havia pegado fogo. Alguns tentavam apagá-lo enquanto outros queriam entender o que tinha acontecido. Não demoraram a descobrir que o fogo havia sido proposital, o primeiro crime com vítimas fatais da história do vilarejo havia acontecido, duas pessoas haviam morrido por culpa da intolerância que agora existia. Desgostoso, o forasteiro decidiu ir embora da cidade na manhã seguinte e arrumou suas coisas. Não entendia o porquê daquilo estar acontecendo, pensou que o vilarejo era uma causa perdida no final das contas, por isso a tanto fora esquecido. A melhora na comunicação deveria ter trazido progresso e não desordem. Pegou sua mala e partiu, sem nunca mais olhar para trás.

A cidade nunca mais fora a mesma. Com o tempo, assim como o forasteiro havia previsto, ele ficou conhecida no mundo moderno, mas nunca teria nada de especial se comparada a qualquer outro lugar. Os habitantes nem se lembravam mais do porquê de terem vivido tão isolados por tanto tempo e o que os tornavam tão diferentes. O forasteiro acertou em todas suas previsões, porém não percebeu que o que a fazia o vilarejo tão especial e o que realmente havia lhe encantado era justamente a forma de comunicação única que ela possuía. Com certeza tinha suas limitações, mas foi assim que os habitantes do lugar aprenderam a respeitar as diferenças uns dos outros e a, principalmente, pensar antes de falar. Viviam uma vida simples e não tinham espaço para dizer mais do que deveriam. Agora que podiam se expressar da maneira que quisessem, não pensavam duas vezes antes de falar e foi exatamente neste ponto que acabaram esquecendo o valor das palavras. O forasteiro fez com que ganhassem o mundo, mas perdessem o que era essencial.

Kazuki – 4 anos antes

Kazuki já andava pelos corredores da JAXA como se estivesse em sua própria casa, nos últimos tempos passara mais tempo ali do que em qualquer outro lugar que pudesse imaginar. Estavam trabalhando em um projeto importante em parceria com os Estados Unidos já havia algum tempo e as coisas só pareciam ficar cada vez mais intensas conforme o prazo final se aproximava. Ele se considerava sortudo, tinha tudo o que queria no momento, adorava o seu trabalho e era abençoado por ter conseguido seu primeiro emprego justamente na agência espacial japonesa, lugar que sempre fora a sua meta de vida. Além disso, atualmente estava trabalhando em parceria com a sua namorada, o que fazia com que o serviço lhe agradasse ainda mais. Sakura era engenheira mecânica e trabalhava em uma empresa privada, porém a equipe no projeto atual estava precisando de uma pessoa qualificada em seu ramo de atuação e embora a JAXA contasse com os profissionais mais capacitados do mercado, Kazuki conseguiu dar um jeito para que a contratassem como consultora temporária na ocasião. Contudo, como ele havia previsto, Sakura com seu excelente trabalho, acabou conquistando todos por ali e ficando até o final do empreendimento.

Hoje ele queria sair cedo da agência, Sakura ainda não sabia, mas já estava tudo organizado para a entrevista de noivado com os pais dela naquela noite. Os dois já namoravam há muito tempo, praticamente foram o primeiro amor um do outro e ele já conhecia muito bem a família de Sakura, mesmo assim Kazuki queria fazer tudo conforme as mais antigas tradições, pois ambas as famílias prezavam muito por isso e, embora não admitisse, ele também era um fã dos bons costumes. Quando chegou ao restaurante do hotel, Sakura e seus pais já estavam ali. Ela o olhava com desconfiança enquanto ele se aproximava da mesa, mas seu nervosismo era tanto que praticamente puxou a cadeira de uma vez, sentando-se sem ao menos olhar para sua futura esposa. O jantar transcorreu como planejado e quando Kazuki anunciou que queria pedir a mão de Sakura formalmente a pequena japonesa sentada ao seu lado sorriu debulhando-se em lágrimas. Ele já sabia que os pais dela não se oporiam ao compromisso, ambas as famílias já esperavam por esse dia fazia algum tempo, então informou que já tinha tomado a liberdade de marcar o noivado oficial para o próximo domingo.

Era uma manhã maravilhosa de domingo, o sol entrava por entre os entrelaçados de bambus formando quadrados pequenos no chão do recinto. Kazuki vestia um terno escuro, assim como seu pai, enquanto sua mãe usava um quimono florido tradicional. A sala começava a cheirar ao incenso que, para espantar a ansiedade, ele havia acendido alguns minutos antes. Sakura adentrou a sala com um quimono florido em tons de azul combinando com o enfeite que prendia seu cabelo em um coque alto. O coração de Kazuki bateu acelerado, pensou que nunca a tinha visto tão linda quanto naquele momento. Todos ocuparam seus lugares em seus tatames se sentando em cima de suas pernas em posição de reverência. O patriarca de cada família puxava as duas fileiras, de frente um para o outro, seguidos por suas esposas e por último o casal que noivava naquele dia. Os três pares se reverenciaram algumas vezes e logo após trocaram presentes entre si. Assim que as apresentações formais foram feitas, o casal foi até a imagem de Buda que ficava na parede ao centro da sala e com preces e orações agradeceram aos Deuses pela graça alcançada, fazendo oferendas aos mesmos. Seus pais deixaram os tatames e seguiram o mesmo exemplo dos filhos.

Kazuki esperava por Sakura no banco do parque enquanto olhava os peixes que pulavam ocasionalmente para fora do lago. Muita coisa passava por sua cabeça, tanto tinha acontecido só naqueles últimos tempos! Fazia um pouco mais de dois meses que tinha ficado noivo e o encarregado do projeto em que estavam trabalhando, assim que soube das novidades, chamou o casal para uma reunião. Nesta, ele explicou o porquê de estarem desenvolvendo aquele projeto em específico e devido as circunstâncias contou qual que era o objetivo com tudo aquilo. Kazuki ainda não sabia o que pensar sobre o assunto, se fosse há algum tempo atrás teria aceitado sem nem piscar, porém agora havia muita coisa em jogo e seu futuro com Sakura era uma delas. Ela também ter sido convidada o deixava ainda mais confuso, pois era certo que sem ela, ele não iria a lugar algum. Por outro lado, pensar em Sakura, tão frágil e delicada, participando de algo como o que fora descrito a eles era tão assustador quanto deixar ela para trás.

– Faz muito tempo que você está aqui? – Sakura perguntou se aproximando e sentando ao lado de Kazuki. Ele sorriu.

– Não muito – ele disse suspirando e olhando para o lago novamente. Os dois ficaram em silêncio por algum tempo.

– Temos que tomar uma decisão – Sakura disse olhando pela primeira vez para o parceiro e quebrando o silêncio. Ele acenou positivamente com a cabeça. – Você já sabe minha opinião a respeito do assunto, só falta você decidir o que quer! Mas saiba que vou te apoiar no que quer que decida – ela disse confiante. Kazuki virou para o lago mais uma vez e suspirou. Ele sabia que ela queria ir, já tinha dito isso diversas vezes e, apesar do medo, ele também queria. Mas algo lhe dizia que aquilo não era uma boa ideia. E o casamento tradicional que queria? Isso não seria nada tradicional. Com sorte partiriam logo após o casamento sem tempo para mais nada. E seus planos futuros? Pensando bem, aquilo de algum jeito também sempre esteve presente em seus planos. Respirou profundamente e tomou uma decisão.

– Se você quer e eu também, então porque não? – ele disse olhando para sua amada. Sakura bateu feliz as palmas e o abraçou. A pequena japonesa, já se levantando, virou-se para encará-lo.

– Temos que adiantar os preparativos para o casamento! Quero viajar aos Estados Unidos já como a Sra. Kimura. – Kazuki deu risada.

– Mas para eles você ainda será Okada, todos seus projetos ainda serão assinados com seu nome de solteira.

– Detalhes, meros detalhes Kazuki. Você se preocupa muito com eles! – ela disse já fazendo seu caminho de volta a JAXA e deixando Kazuki no parque rindo sozinho.

O prêmio

Esta é a história de Jorge, um escritor. Sim, um escritor. Não um qualquer, mas sim o autor de inúmeros best-sellers de autoajuda sobre relacionamentos. Podemos dizer que isso o torna uma pessoa bem sucedida, não é mesmo? Tem fama, tem dinheiro, reconhecimento, o que mais poderia querer? De fato nunca pedira por mais nada, seria completo se não fosse um pequeníssimo detalhe: sua paixão sempre fora as fantasias. Não vamos entendê-lo mal, sempre fora grato por tudo o que tem, gosta do que faz e dos fãs que o seguem, nunca negou que tem uma boa vida, mas seu coração pulsava mesmo sempre que se sentava para inventar uma história fantástica. Sabe aquelas que fazem sua imaginação viajar entre mundos, reinos distantes e lugares inalcançados? Eram nessas dimensões que Jorge adorava se encontrar. Naquelas ficções que somente poderiam existir nas páginas de um livro ou nas películas de um filme. Ele tentava fazer com que seu sonho se tornasse realidade, sempre postava seus contos em sua página junto com os outros textos que já faziam sucesso, mas eram poucos os fãs que realmente liam ou se interessavam por eles, enquanto todos os outros eram procurados e elogiados, suas fantasias sempre ficavam de lado. Não era sucesso o que queria, isso ele já tinha, Jorge queria partilhar seu sonho, saber que alguém estava naquelas terras distantes junto com ele, que não estava sozinho nesta jornada.

Chegou a comentar sobre suas frustrações com amigos e conhecidos, porém todos lhe diziam sempre a mesma coisa: “Você está sendo dramático! Lógico que as pessoas leem suas obras, sejam elas quais forem, afinal você não é o grande Jorge?”, mas ele não estava convencido e arquitetou um plano para finalmente provar quem carregava a razão. Na manhã seguinte publicou em seu site o seguinte texto:

Não direi qual, mas para aqueles que lerem meus textos até o final, em um deles encontrará um prêmio excepcional. Se te tocar, provavelmente será nele que irá encontrar. A última dica que lhes ofereço é que será algum de meu total apreço.

E assim Jorge fez. Alguns dias depois de seu anúncio continuou a postar seus textos sobre relacionamentos e seus contos fantásticos, mas nenhum deles continha o tal tesouro, por hora, queria somente saber qual seria a reação provocada e o resultado não poderia ter sido outro, seus acessos haviam triplicado e as pessoas não paravam de comentar ou tentar adivinhar qual seria o prêmio e em qual dos textos estava contido. Até mesmo seus contos, agora, estavam sendo mais requisitados, mesmo que a maioria ainda só os estivesse lendo por curiosidade, pois eram aqueles já haviam desistido de procurar nos textos mais famosos e agora estavam dando uma chance às fantasias, com a esperança de ali encontrar o grande tesouro a tanto mencionado. Jorge decidiu que já era hora de dar aquelas pessoas o que elas procuravam, então escreveu como nunca antes na vida. Dia e noite dedicou-se aquela que seria sua maior obra prima, reuniu em uma única história todos os elementos que mais apreciava: a ficção, a fantasia, terras distantes, povos desconhecidos, amores proibidos, guerreiros que viraram mitos e corações partidos. Era essa! Esse seria o texto que esperava que mudasse a vida de pelo menos um de seus fãs. A história tinha ficado enorme, muito maior do que o número máximo de caracteres que seria aceitável para um post em uma rede social, mas nem isso o intimidou, de fato até nisso ela estava perfeita, afinal serviria muito bem para aquilo que queria tanto provar: encontrar pelo menos uma pessoa que realmente se aprofundasse em um texto complexo nos tempos modernos. Passaram-se meses e sua página continuava a ter milhares de acessos, as pessoas não haviam desistido do tal prêmio e ainda questionavam como este seria apresentado. Talvez um trocadilho que indicasse a quantia em dinheiro que receberiam ou o lugar para onde viajariam? Mas apesar do sucesso, Jorge se via cada vez mais frustrado. Enquanto todos os outros assuntos triviais “bombavam” na internet, seu pedaço de arte permanecia intacto em meio a tantas outras histórias. Recebia algumas curtidas aqui e outras ali, até alguns comentários, porém, infelizmente, nenhum deles lhe indicava nada a não ser que as pessoas estavam desesperadas e atirando para todos os lados, sem realmente saberem o que procuravam. Ele estava perdendo as esperanças, apesar de sempre ter dito o contrário, no fundo queria acreditar que teria, pelo menos, uma única pessoa que realmente leria sua tão amada obra e por consequência entenderia o fundo de sua alma. Até que em um certo dia, o milagre aconteceu. Já tinha se conformado que seria o único a viver naquele mundo, quando naquela manhã viu uma coisa que encheu novamente seu coração de esperanças: um simples comentário bastou para que toda sua visão de mundo mudasse.

Não sei qual seria esse prêmio de que tanto os outros falam, somente buscava alento para o meu coração quando comecei a ler o seu texto, mas acho que, sem querer, o acabei encontrando. O guerreiro indomado e suas terras míticas acabaram me salvando sem nem mesmo eu ter esperado. Então, talvez o prêmio até seja o dinheiro ou a viagem que todos estão buscando, mas poder me aventurar novamente nessa fantasia para mim já bastaria.”

Ele tentou saber um pouco mais sobre o usuário que havia feito o comentário e ficou impressionado ao descobrir que em tantos detalhes da vida do cidadão eram comuns ao seu próprio conto. Percebeu que por mais que seu texto fosse fantástico, sua história era mais real para aquela pessoa do que qualquer uma outra de autoajuda que já havia escrito. Quando começou tudo aquilo, Jorge só queria provar que as pessoas não liam seus textos realmente e se achasse alguém que o fizesse, com certeza, deveria ser recompensado. Mas ele não esperava que o prêmio verdadeiro seria dele afinal, pois aquela única pessoa lhe fez ver que o bom leitor não era aquele que tinha os mesmos gostos que ele e sim, aquele que tirava o melhor de tudo que lhe era apresentado. Daquele dia em diante não se preocupou mais em saber se os outros estavam tirando a lição correta de seus textos, nem mesmo buscou mais um parceiro para as suas aventuras, sabia agora que bastava ser de coração para que todos os outros o seguissem aonde quer que fosse.

Josh – 3 anos antes

Já fazia alguns dias que Josh estava trabalhando de casa. Tinha pedido um afastamento para resolver alguns assuntos pessoais, algumas regularizações de documentos da casa que não poderia mais adiar. Como estava no meio do desenvolvimento de um projeto importante, a solução em que chegaram foi a que ele fizesse o que tinha que fazer, porém continuasse com o seu trabalho remotamente. Josh não se importou com o acordo, sabia que não conseguiria sair no meio do projeto e na verdade nem ele queria isso. No começo ficou preocupado com o que seu parceiro iria pensar, mas logo se tranquilizou. Peter não era do tipo sociável, provavelmente nem notaria sua ausência e com tanto que Josh entregasse sua parte do acordo sabia que ficaria tudo certo. Fazia novamente seu caminho para o cartório da cidade, já tinha perdido as contas de quantas vezes tinha ido e voltado daquele lugar somente naqueles três dias em que estava fora da empresa, hoje era sua última chance de conseguir resolver aquela novela, pois voltaria a trabalhar normalmente no dia seguinte, já tinha perdido muito tempo com tanta burocracia. Josh tivera uma infância difícil em um bairro periférico da cidade, seu pai havia sumido quando ele ainda era uma criança e sua mãe teve que, sozinha, criá-lo e a seus quatro irmãos. Hoje em dia ele morava sozinho com sua mãe, todos os outros já estavam casados ou tinham sumido na vida.

– Mas como assim ainda não liberaram? Não é possível uma coisa dessas – ele disse impaciente batendo no tampão da mesa.

– Isso é assim mesmo! – a atendente respondeu um pouco intimidada. – Informaremos por e-mail assim que toda a documentação tiver regularizada.

Josh saiu do recinto bufando de raiva, com certeza não era a resposta que ele queria escutar. Tentou se acalmar pensando que pelo menos a papelada estava certa, era só mesmo ter paciência para esperar algum figuração ter a boa vontade de liberar a documentação. Foi pensando no meio do caminho em como as coisas em sua vida pessoal andavam difíceis nesses últimos tempos, parecia que nada do que fazia acabava dando certo, felizmente, pelo menos profissionalmente, isso parecia estar indo no sentido oposto. Decidiu que assim que chegasse a sua casa terminaria sua parte do projeto e enviaria para a empresa, não queria ouvir no dia seguinte sermões ou qualquer outra reclamação sobre ele não ter cumprido com a sua obrigação. Passava da meia noite quando ele finalmente conseguiu colocar os últimos arquivos na rede da companhia. Estava cansado, queria somente tomar um banho e ter uma longa noite merecida de sono. Josh foi até a cozinha tomar um copo de água quando seu celular começou a vibrar no bolso da calça.

– Josh, graças a Deus que você atendeu! – A voz de sua irmã soava urgente do outro lado da linha. – Venha me ajudar, por favor! O Paul endoidou – ela disse a frase entre soluços. Josh escutava sons abafados de batidas na porta e a voz do marido de sua irmã gritando seu nome ferozmente.

– Onde você está Alisha?

– Estou em casa, trancada no banheiro. – O som das batidas continuava e a cada investida Alisha soltava um soluço de desespero. – Por favor, Josh, venha rápido! E não conte nada para a mamãe. Por favor!

Josh dirigia a toda velocidade pela cidade, passando cada sinal vermelho que tentava fazer com que ele diminuísse o ritmo. Ele sempre soube que Paul era um sádico, já havia alertado Alisha antes mesmo de se casar que o sujeito não prestava, mas ela pensou ser somente implicância de sua parte. Se aquele sujeito tivesse feito algo a sua irmã… O sangue de Josh fervia enquanto ele cortava as ruas noite a dentro. A porta de entrada da casa estava entreaberta e ele não pensou duas vezes, invadindo o lugar em um rompante.

– Alisha! – gritou, chamando pela irmã. Um homem um pouco menor do que Josh, de cabelo raspado e pele clara apareceu no corredor. Parecia estar bêbado e muito transtornado.

– O que você está fazendo aqui? Deixe-nos em paz! Isso é assunto de marido e mulher – ele falou enrolado encarando Josh.

– Josh! – Alisha apareceu e saiu correndo de encontro a Josh abraçando-o fortemente. Ele retribuiu o abraço sem tirar os olhos de Paul em nenhum momento, depois afastou com delicadeza a irmã para enxergá-la melhor. Seus olhos estavam marcados por hematomas e seu lábio tinha uma rachadura de um machucado recente que ainda vertia um filete de sangue.

– Seu desgraçado! – Josh empurrou a irmã para o lado e avançou para cima de Paul. Alisha tentou parar o irmão enquanto este espancava o outro homem repetidamente. Paul já estava inconsciente quando o barulho das sirenes invadiu o ambiente e homens uniformizados entraram no local, contendo Josh e o levando para a viatura.

Já fazia três dias que Josh estava preso naquele cubículo. Agora que ele andava de um lado ao outro da pequena cela se sentia arrependido. Não de ter batido em Paul, ele pediu por aquilo, mas por ter perdido a cabeça. Alisha já tinha contado sua versão da história aos policiais, mas Paul estava internado em estado grave no hospital e como aquela agressão não era a primeira na ficha de Josh, ele, desta vez, iria precisar de um bom advogado se quisesse sair desta livre. Por que você nunca pensa antes de agir, Josh? Ele repetia a frase a si mesmo como um mantra. Seu coração começou a acelerar, estava acabado! Não fazia nada direito e naquela altura do campeonato já teria perdido a única coisa boa que tinha, seu emprego. Justamente agora que estava participando de algo tão importante e que esperava colher grandes resultados disto, estava ali trancafiado como um animal selvagem. Os guardas o levaram para a sala de visitas. Uma mulher elegante, alta, loira e de olhos claros o esperava dentro do recinto e assim que o viu entrar abriu um sorriso sagaz. Josh olhou confuso por um momento para ela, seria sua nova advogada?

– Josh Noah? Sou a Srta. Velis, trabalho com o governo. Por favor, sente-se – ela disse indicando a cadeira a sua frente, Josh ainda confuso fez o que a mulher sugeriu e esta olhou para ele satisfeita. – Vou ser direta com você, Sr. Noah, o motivo de eu estar aqui é porque queremos soltá-lo e fingir que nada disso aconteceu, mas antes preciso que escute a proposta que temos a lhe fazer!

Vida de solteira

Chega disso! Valentina levantou, foi até o banheiro e lavou o rosto. Até quando ia ficar nesse mesmo ritmo? Estava na hora de esquecer o passado e seguir em frente. Alias já tinha passado da hora! Ele não era a única pessoa no mundo por quem poderia se apaixonar. Sentou na cama e pegou o celular. Sua amiga tinha lhe falado a respeito de alguns aplicativos de paqueras, fizera a maior propaganda dizendo que eram a sensação do momento, que todos agora só marcavam encontros por eles e que sair com alguém sem selecionar antes era coisa do passado. Sem pensar duas vezes, foi até a lojinha de aplicativos do celular e baixou o mais famoso deles. Assim que fez seu cadastro e arrumou suas preferências já começou a passar pela lista de homens que lhe era oferecida na telinha, um após o outro. Aquilo era um cardápio de homens! A foto dos pratos com uma breve descrição do que continham abaixo. Deu risada consigo mesma, se era assim para ela, o inverso também era verdadeiro, tinha acabado de virar uma comida. Bem, já que era assim resolveu escolher os que mais lhe apeteciam. Sim, não, sim, não, não, não. Deus me livre! O que é isso? Ah, esse parece legal! Depois de passar algum tempo nisso acabou cansando e resolveu largar o celular de lado e ir tomar um banho. Sentiu-se velha, o mundo estava muito mudado mesmo, um cardápio para encontros? O que mais iriam inventar?

Valentina já trocava mensagens com um dos pratos há algumas semanas. Ela não acreditou quando combinou com um dos rapazes e no mesmo dia ele veio puxar conversa. Ela tinha subestimado o poder do aplicativo, não é que funcionava mesmo? Achava estranho conversar com uma pessoa que não conhecia, mas o moço parecia ser bem afeiçoado, bom de papo, educado, talvez aquilo realmente fosse o futuro! Mesmo relutante, acabou aceitando finalmente o convite dele para sair. Olhava indecisa sua imagem no espelho, que roupa usar em um encontro com uma pessoa que nunca vira antes? Decidiu-se por um vestido azul básico. Haviam combinado de se encontrarem em um parque e depois decidiriam o que fazer dali. Ela que sugerira o lugar, algo público e ninguém lhe buscaria em casa, assim se o cara fosse um psicopata, testemunhas não faltariam e a estratégia também lhe assegurava em caso do sujeito ser um louco, afinal malucos não podem invadir sua casa no meio da noite se não sabem onde você mora. Terminou de passar uma maquiagem leve, penteou o cabelo e saiu.

Ela olhava nervosa para a entrada do parque, por que, diabos, tinha concordado com aquilo? Estava enferrujada e logo de cara resolvera fazer uma coisa maluca daquelas? Onde estava com a cabeça? Viu um rapaz de cabelos pretos arrepiados, alto e magrinho entrando pelo portão. Estava um pouco diferente das fotos, mas era ele, tinha certeza. O rapaz acenou ao reconhecê-la e ela retribuiu o gesto. Bonitinho! Pensou mais aliviada. O que era aqui em sua cintura? Uma pochete? Sério mesmo que alguém usava isso nos dias de hoje? Resolveu não julgar o livro pela capa. Apesar daquela não ser sua primeira escolha no mundo da moda, nem mesmo a última, como diz o velho ditado “gosto não se discute”, e não era ela que iria contradizer a velha sabedoria disso agora, não é mesmo? Eles andaram juntos pelo local e no começo a conversa lhe pareceu muito agradável, assim como as trocadas virtualmente, quase a fez superar o horrível acessório de moda que balançava para cima e para baixo a cada passada que ele dava. Mas em dado momento o assunto acabou girando somente em torno da vida de sua companhia, o que fazia, onde morava, do que gostava e não gostava, seu ponto de vista sobre aparentemente tudo o que era vivo no universo, ou seja, não lhe faltavam opiniões. Valentina até tentou falar algo, mas ele a cortava em toda ocasião que podia. Nunca pensou que um cara que ainda usava pochete fosse tão egocêntrico! Decidiu, novamente, não se apegar muito a isso, talvez fosse só o nervosismo agindo. Já escurecia quando ele sugeriu que fossem jantar em algum lugar. Agora sim o rapaz adquirira pontos positivos com ela! Estava cansada de andar e morrendo de fome.

Valentina olhava emburrada para o grupo de adolescentes que ria alto na mesa ao lado da sua na lanchonete. Ela nunca fora do tipo que achava que homens eram obrigados a pagar tudo no primeiro encontro, mas quando ele perguntou se eles poderiam ir ao fast food da esquina do parque porque estava sem dinheiro, imaginou que ele estava sugerindo algo tão barato porque quisesse fazer um charme pagando a conta, então aceitou satisfeita. Qual não foi sua surpresa quando além de nem se oferecer para pagar o seu lanche, ele ainda ter pedido para que ela lhe pagasse uma casquinha, pois estava sem trocado?

– Seu carro está aqui perto? – ele perguntou enquanto saiam da lanchonete.

– Não, vim de táxi, vou chamar outro para voltar – ela respondeu já procurando o celular dentro da bolsa.

– Não precisa, deixa que eu te levo.

Finalmente ainda existia cavalheirismo nesse mundo! Nem tudo estava perdido, afinal. Valentina olhou em dúvida para ele. Tinha passado praticamente o dia todo com aquela pessoa e nada de ruim acontecera. Descobrira que ele era um egocêntrico e muquirana sem senso algum de moda, mas dificilmente seria um psicopata. Aceitou a carona, seria uma troca justa pela casquinha. Não conversaram muito durante o trajeto, mas é lógico que o pouco do diálogo que tiveram foi, mais uma vez, voltado para o mundo dele. Quando estavam quase chegando a rua de Valentina eles escutaram um estouro seguido de barulho de borracha arrastando. Sério mesmo que o pneu tinha furado? Pelo menos era uma coisa fácil de ser consertada! Eles saíram do carro e foram verificar. Ele foi pegar o estepe e o macaco no porta malas e começou a trabalhar enquanto ela ficou em pé atrás dele observando.

– Você pode me ajudar aqui? Não estou conseguindo tirar os parafusos. – Valentina olhou para os lados, verificando se ele estaria falando com outra pessoa, quando percebeu que a pergunta era direcionada a ela, balançou a cabeça em descrença.

– Mas eu estou de vestido! – argumentou.

– Sem problemas, é só prendê-lo no meio das pernas que ninguém verá nada. – Valentina se agachou ao lado do rapaz segurando a ponta do vestido enquanto praguejava por dentro. Pensou em recusar, mas quanto mais rápido aquilo terminasse, mais rápido ela se livraria do encosto.

Ela ainda tentava limpar a graxa da mão quando entrou em casa. Estava pensando em tudo de errado que tinha dado naquele dia e em quão frustrada estava. Tudo bem, tinha que admitir que o sujeito não era de todo ruim, afinal tinha lhe trazido sã e salva para casa, não tentara nada que ela não quisesse e nem forçou a barra em nenhum momento. Quem sabe sua falta de noção das coisas não melhorasse com o tempo? Sentiu a vibração de seu celular tocando dentro da bolsa. Quem poderia ser? Quem ainda ligava para os outros hoje em dia? Atendeu e escutou o toque típico de uma ligação a cobrar.

– Oi, sou eu. Desculpe estar te ligando a cobrar, mas é que meu pacote de dados acabou. Eu achei dez reais aqui no carro e liguei para perguntar se era seu, mas depois me toquei que você deixou aqui para pagar a gasolina da carona, não é? Deve ter sido mais do que isso, mas obrigado! Poxa, adorei te conhecer, quando vamos marcar o próximo encontro? – Valentina desligou com raiva o telefone. Se fosse continuar com o aplicativo teria que ser mais criteriosa ao selecionar o seu prato no cardápio, porque aquele havia vindo estragado.

Peter – 3 anos antes

Ele repassava os detalhes de seu projeto no computador, enquanto escutava no fone de ouvido as notas pesadas de sua banda favorita de rock. Mesmo que, naquele projeto em específico, tivesse um parceiro, Peter preferia trabalhar assim: sozinho. Josh quase nunca o perturbava, sabia que ele rendia melhor se fosse deixado quieto no seu canto e só acabavam se encontrando quando realmente era necessário. Ele gostava de Josh, apesar de seu pavio curto, era um bom sujeito e entendia as particularidades dele sem questionar, além disso, era um ótimo profissional. Engraçado, agora que pensara no assunto, percebera que já fazia algum tempo que não o via, o que será que estaria tramando? Deu de ombros, logo mais apareceria. Estavam em um momento crucial do projeto e ele não deixaria de cumprir com sua parte. Peter olhou para o relógio no canto direito de sua tela, já era tarde, mais uma vez ele perdera a noção do tempo, era o quarto dia, só naquela semana, que tinha ficado além do horário, se continuasse nesse ritmo ia acabar pegando um bom tempo de folga só de horas extras. Desligou o computador, pegou sua mochila e foi embora para casa.

Peter gostava do que fazia em sua empresa, mas sua paixão mesmo era o que fazia fora dela, em suas horas vagas. Hackear tinha começado como um hobby, invadia pequenas redes por diversão, só para testar se conseguia, porém percebeu que era bom nisso e logo outras pessoas também e com isso começou a fazer alguns bicos para empresas que o contratavam somente para testar suas barreiras virtuais. Contudo, as habilidades de Peter com o computador eram nada se comparadas ao seu alter ego: StreamingP. Esse sim era uma celebridade no mundo virtual. Cada competição, oficial ou não, cada trabalho arriscado ou invasões ousadas que surgiam na boca da comunidade, o StreamingP estava envolvido. Peter gostava disso, era como se fosse um super herói ou um justiceiro, que todos conhecem, mas ninguém sabe sua real identidade. Ele estava logado usando o seu alter ego em um dos fóruns da comunidade quando alguém lançou um desafio: hackear os sistemas da NASA. Isso seria moleza! Já tinha invadido sistemas muito mais complexos que esse. StreamingP aceitou o a empreitada e começou a fazer suas manobras, em menos de dez minutos já estava dentro dos sistemas da Agência Espacial. Não satisfeito com o feito, ele começou a varrer os computadores em busca de algo que realmente valesse a pena. Passou por um, dois, três firewalls, mas nada do que via lhe chamava a atenção, até que se deparou com um tal Projeto SIRIUS. Caramba! Esse sim estava bem protegido. Tentou abrir caminho por aqui e por ali sem muito sucesso. A adrenalina do esforço crescendo a medida que se frustrava com algum comando dado, era isso que queria sentir desde o começo, era disso que gostava. Ficou nesse jogo de gato e rato por alguns bons minutos até que finalmente venceu as barreiras de seu adversário. Tudo aquilo para esconder mais um projeto de viagem ao espaço? Que decepção! Aquilo era tão velho quanto o homem pisar na lua. Mas, espere, o que era aquilo? Tinha algo de diferente com esse projeto. A animação voltava ao seu ser a cada palavra lida. Seria mesmo possível que estivessem planejando tal coisa? Aquilo era grande! Mais do que depressa Peter saiu dos sistemas e apagou todos os seus rastros, não queria que soubessem que ele esteve bisbilhotando tais informações, isso poderia lhe trazer muitos problemas.

Josh não tinha aparecido novamente na empresa? Que estranho! Será que tinha sido demitido? Improvável, teriam lhe avisado ou já colocado outro em seu lugar, o projeto em que estavam trabalhando era muito importante para que não o fizessem. O que será que tinha acontecido com ele então? Peter sentou em sua mesa e assim que começou a acessar os arquivos em que estava trabalhando no dia anterior percebeu que a parte que cabia ao seu parceiro estava toda ali. Quando foi que ele tinha conseguido inserir os dados se nem estava vindo ao serviço? Não era de sua conta, o importante era que o projeto estava pronto. Ele salvou as últimas alterações na rede e avisou seu gerente, que ficou extremamente animado com a notícia dizendo que passaria o quanto antes o trabalho para o contratante. Sem muito mais o que fazer, Peter passou o resto do dia analisando alguns projetos menores que ainda estavam em andamento e pesquisando algumas informações na internet.

– Peter, tem como você vir a minha sala um minuto? O nosso cliente daquele projeto está aqui e ele quer tirar algumas dúvidas com você. – Peter levou um susto quando seu gerente apareceu de repente atrás dele. Nossa, já estavam ali? Aquele pessoal realmente estava com urgência no serviço.

Ele se levantou e seguiu seu gerente até sua sala. Enquanto caminhava o outro homem começou a contar-lhe um pouco mais sobre o cliente.

– Sei que tínhamos mantido em sigilo a informação até agora, pois assim nos foi solicitado, mas como requisitaram sua presença, acredito que não tenha mais porque esconder. – Peter olhou indiferente para o homem ao seu lado, não lhe importava saber quem tinha contratado os serviços, mas o seu gerente pareceu não notar o óbvio e continuou. – Nosso cliente é a Agência Espacial.

O sangue de Peter gelou. Seria somente coincidência ele ter hackeado a NASA na noite anterior e justamente eles estarem ali, em seu local de trabalho, para falar com ele agora? Não era possível que tivesse sido descoberto tão rapidamente, ele tinha certeza que havia coberto todos os seus rastros. Eles chegaram a sala e seu gerente abriu a porta, entrando sem cerimônias. O coração de Peter ainda batia acelerado quando o seguiu ao interior do recinto. Um homem pomposo, vestido em um terno bem cortado, se aproximou de Peter e estendeu sua mão em um cumprimento.

– StreamingP? Sou Joshua Kane e acredito que precisamos conversar.

Helder – 3 anos antes

Ele estava sentado na cafeteria terminando sua refeição antes de começar o plantão da noite no hospital. Estava cansado, acabara de vir de uma cirurgia longa de emergência e tentava repor suas energias para o turno que estava por vir. Duas enfermeiras vinham conversando e assim que o viram começaram a cochichar.

– Aquele não é o médico da televisão? – uma delas disse tapando a boca para tentar abafar a pergunta.

– É ele sim. Não te falei que ele trabalhava aqui! – As duas deram uma olhada de canto na direção de Helder e começaram a rir, cochichando mais alguma coisa antes de se afastarem.

Ultimamente, em todo lugar que ia, sempre tinha alguém que o reconhecia. No começo era engraçado, mas agora esse tipo de situação estava começando a lhe perturbar. Lógico que não teria deixado de fazer o que fez, mas se soubesse no que daria, talvez tivesse evitado tanta exposição. Há umas duas semanas, Helder estava na clínica, onde trabalha como voluntário, em um dos bairros mais carentes da Breslávia, quando uma mãe entrou gritando desesperada enquanto paramédicos traziam seu filho, que tinha sido atropelado, em uma maca. Uma equipe de filmagens de uma emissora local que tinha recebido autorização para gravar dentro do prédio e fazia uma matéria sobre os resquícios da segunda guerra que ainda existiam na região, aproveitou o furo de reportagem e acompanhou todo o atendimento que Helder fez a criança vitimada. Não fora um caso fácil, o menino estava muito ferido, foi operado as pressas e sofreu duas paradas cardíacas no processo, mas felizmente sobreviveu. Tudo isso foi televisionado no jornal local na mesma noite e reprisado em alguns outros programas posteriormente, fazendo com que o médico virasse o “Herói de Nadodrze”. Era ridículo! Afinal não estava fazendo mais do que sua obrigação, mas aparentemente quase todos os que assistiram ao noticiário não pensavam da mesma forma que ele. Helder se levantou, pegando a bandeja e a devolveu ao balcão. Pensando bem, ele não teria como ter feito nada de diferente na ocasião, porque na hora não tinha cabeça para mais nada além do garoto, o problema todo foi tudo ter acontecido justamente no dia em que a equipe de televisão estava lá e esta, ao invés de fazer seu trabalho, ter voltado seu foco ao grande médico e seu pequeno paciente prestes a morrer. Mas o que não tem remédio, remediado está! Logo todo o alvoroço produzido pela matéria desapareceria e ele voltaria a sua vida normal, pelo menos assim esperava. Passou pelas portas da cafeteria indo em direção ao vestuário, precisava pegar algumas de suas coisas antes de começar a segunda jornada de trabalho do dia.

Helder estava dentro de seu carro indo para a clínica, eram mais de quatro horas de viagem, motivo pelo qual somente agora tinha conseguido tempo para voltar ao local desde que tudo acontecera. Alguns de seus colegas de trabalham diziam que ele era louco, que se quisesse fazer caridade que fosse em um lugar mais perto, mas ele não se importava com isso, gostava da cidade e da comunidade, sentia que ali era seu lugar. Lógico que no começo não fora assim, sua residência tinha sido em um hospital em uma cidade próxima de onde a clinica se situava e foi quando aceitou o emprego atual que a distância se tornou um problema, mas apesar disso ter diminuído sua disponibilidade consideravelmente, ele não havia desistido, sempre que podia voltava para a cidade e continuava com seu trabalho voluntário. Ele chegou e viu uma fila enorme de pacientes que lotava a recepção em seu aguardo. Suspirou. Era de se imaginar que os efeitos do caso televisionado seriam muito maiores naquela região, parecia que todos queriam um minuto com o famoso “Herói de Nadodrze”. Educadamente passou pelas pessoas e pegou as fichas com a recepcionista, que as entregou com um sorriso aberto sem tirar o olhar de admiração que sustentava no médico. Respirou fundo, admitindo para si mesmo que estava um pouco decepcionado com a situação e foi para a sua sala. Bem, quem sabe todos ali realmente precisassem do médico e não do herói? Pensou, tentando se animar enquanto chamava o primeiro paciente.

Mesmo cansado decidira que retornaria para casa, sem permanecer na cidade. Dava para contar nos dedos todos os pacientes que viu no dia que realmente precisavam de atendimento, aquilo tinha saído do controle. Cortava seu coração, mas pensou que talvez fosse melhor dar um tempo da clínica até que a poeira abaixasse. Helder percebera que o carro que ia a sua frente na estrada ocasionalmente invadia a outra faixa para logo em seguida retornar ao seu ponto de origem, como tinha um caminhão liderando a fila, imaginou que o condutor do veículo estivesse escolhendo o melhor momento para ultrapassagem, mesmo assim, por via das dúvidas, resolvera deixar certa distância do mesmo. Lá ia ele, mais uma vez, invadir a pista contrária, parecia que desta vez tinha decidido fazer a manobra arriscada que tanto ansiara. Mas tinha algo de errado, o automóvel não seguiu paralelamente ao caminhão como era esperado, ele atravessou diretamente a faixa reversa indo parar para além do acostamento e só parou quando bateu de frente em uma árvore. Helder rapidamente fez sinal para fazer o retorno e estacionou no acostamento do outro lado, deixando o carro ligado com o pisca alerta acesso e correu até o outro veículo. A mulher que ocupava o banco do condutor se contorcia convulsivamente presa ao assento pelo cinto de segurança. Helder soltou o equipamento de segurança pegando-a com cuidado e deitando-a de lado no chão, depois tirou o próprio casaco para que servisse de apoio a sua cabeça e protegeu a mesma até que a crise passasse. Aos poucos a contração foi diminuindo e a consciência da mulher retornando.

– Onde estou? O que foi que aconteceu? – ela disse um pouco atordoada.

– Calma! Você teve uma crise convulsiva e sofreu um acidente de carro. Meu nome é Helder, sou médico, posso te examinar? – A moça ainda confusa acenou com a cabeça positivamente, Helder ajudou-a a se levantar e colocou-a sentada no banco para que verificasse se havia algum outro trauma, sorriu satisfeito quando concluiu que todos os outros ferimentos provenientes do acidente eram somente superficiais. – Meu carro está logo ali, venha, eu te levo para o hospital mais próximo.

Não conversaram muito durante o caminho. A mulher agora dormia virada de lado no banco do passageiro de Helder. Ela tinha dito que seu nome era Julia e insistira para que fossem direto para Varsóvia, como estava certo de que o caso não era urgente, aceitou seu pedido sem questionar. Ele tinha ligado para o hospital avisando que estava levando uma paciente para ser examinada, então não estranhou quando viu dois enfermeiros o esperando na porta do hospital com uma cadeira de rodas.

– Então o herói atacou novamente! – um deles falou debochado, cutucando o obro de Helder. Ele sorriu um pouco sem jeito. Julia olhou de um para outro e posou seu olhar no médico.

– Sabia que te conhecia de algum lugar, você é o herói de Nadodrze! – a moça exclamou surpresa enquanto o enfermeiro voltava a rir. A face de Helder corou ligeiramente. – Não gosta do apelido não é? – ela disse percebendo sua reação. – Mas deveria se acostumar, cai bem para você! – Helder arregalou os olhos surpreso enquanto o enfermeiro caia na gargalhada.

– Tudo bem! Vou tentar lembrar disso – ele disse um pouco sem jeito. O enfermeiro, ainda rindo, bateu no ombro do médico em consolo e virou a cadeira de rodas para entrar no hospital. Helder já alcançava o carro quando escutou o outro homem gritar.

– Ei, super homem, esqueci de falar que o diretor pediu para que fosse a sua sala antes de ir embora.

Helder ainda processava a conversa que tivera com o diretor de seu hospital, tudo era muito surreal para ser verdade e mesmo assim ele aceitara a oferta sem nem pestanejar. Qualquer oportunidade de aprender algo novo lhe fascinava. Deitado em sua cama, sorriu consigo mesmo com a ironia de tudo aquilo: ele não era herói de lugar algum, mas quem diria que justamente ele iria voar?