Peter – 3 anos antes

Ele repassava os detalhes de seu projeto no computador, enquanto escutava no fone de ouvido as notas pesadas de sua banda favorita de rock. Mesmo que, naquele projeto em específico, tivesse um parceiro, Peter preferia trabalhar assim: sozinho. Josh quase nunca o perturbava, sabia que ele rendia melhor se fosse deixado quieto no seu canto e só acabavam se encontrando quando realmente era necessário. Ele gostava de Josh, apesar de seu pavio curto, era um bom sujeito e entendia as particularidades dele sem questionar, além disso, era um ótimo profissional. Engraçado, agora que pensara no assunto, percebera que já fazia algum tempo que não o via, o que será que estaria tramando? Deu de ombros, logo mais apareceria. Estavam em um momento crucial do projeto e ele não deixaria de cumprir com sua parte. Peter olhou para o relógio no canto direito de sua tela, já era tarde, mais uma vez ele perdera a noção do tempo, era o quarto dia, só naquela semana, que tinha ficado além do horário, se continuasse nesse ritmo ia acabar pegando um bom tempo de folga só de horas extras. Desligou o computador, pegou sua mochila e foi embora para casa.

Peter gostava do que fazia em sua empresa, mas sua paixão mesmo era o que fazia fora dela, em suas horas vagas. Hackear tinha começado como um hobby, invadia pequenas redes por diversão, só para testar se conseguia, porém percebeu que era bom nisso e logo outras pessoas também e com isso começou a fazer alguns bicos para empresas que o contratavam somente para testar suas barreiras virtuais. Contudo, as habilidades de Peter com o computador eram nada se comparadas ao seu alter ego: StreamingP. Esse sim era uma celebridade no mundo virtual. Cada competição, oficial ou não, cada trabalho arriscado ou invasões ousadas que surgiam na boca da comunidade, o StreamingP estava envolvido. Peter gostava disso, era como se fosse um super herói ou um justiceiro, que todos conhecem, mas ninguém sabe sua real identidade. Ele estava logado usando o seu alter ego em um dos fóruns da comunidade quando alguém lançou um desafio: hackear os sistemas da NASA. Isso seria moleza! Já tinha invadido sistemas muito mais complexos que esse. StreamingP aceitou o a empreitada e começou a fazer suas manobras, em menos de dez minutos já estava dentro dos sistemas da Agência Espacial. Não satisfeito com o feito, ele começou a varrer os computadores em busca de algo que realmente valesse a pena. Passou por um, dois, três firewalls, mas nada do que via lhe chamava a atenção, até que se deparou com um tal Projeto SIRIUS. Caramba! Esse sim estava bem protegido. Tentou abrir caminho por aqui e por ali sem muito sucesso. A adrenalina do esforço crescendo a medida que se frustrava com algum comando dado, era isso que queria sentir desde o começo, era disso que gostava. Ficou nesse jogo de gato e rato por alguns bons minutos até que finalmente venceu as barreiras de seu adversário. Tudo aquilo para esconder mais um projeto de viagem ao espaço? Que decepção! Aquilo era tão velho quanto o homem pisar na lua. Mas, espere, o que era aquilo? Tinha algo de diferente com esse projeto. A animação voltava ao seu ser a cada palavra lida. Seria mesmo possível que estivessem planejando tal coisa? Aquilo era grande! Mais do que depressa Peter saiu dos sistemas e apagou todos os seus rastros, não queria que soubessem que ele esteve bisbilhotando tais informações, isso poderia lhe trazer muitos problemas.

Josh não tinha aparecido novamente na empresa? Que estranho! Será que tinha sido demitido? Improvável, teriam lhe avisado ou já colocado outro em seu lugar, o projeto em que estavam trabalhando era muito importante para que não o fizessem. O que será que tinha acontecido com ele então? Peter sentou em sua mesa e assim que começou a acessar os arquivos em que estava trabalhando no dia anterior percebeu que a parte que cabia ao seu parceiro estava toda ali. Quando foi que ele tinha conseguido inserir os dados se nem estava vindo ao serviço? Não era de sua conta, o importante era que o projeto estava pronto. Ele salvou as últimas alterações na rede e avisou seu gerente, que ficou extremamente animado com a notícia dizendo que passaria o quanto antes o trabalho para o contratante. Sem muito mais o que fazer, Peter passou o resto do dia analisando alguns projetos menores que ainda estavam em andamento e pesquisando algumas informações na internet.

– Peter, tem como você vir a minha sala um minuto? O nosso cliente daquele projeto está aqui e ele quer tirar algumas dúvidas com você. – Peter levou um susto quando seu gerente apareceu de repente atrás dele. Nossa, já estavam ali? Aquele pessoal realmente estava com urgência no serviço.

Ele se levantou e seguiu seu gerente até sua sala. Enquanto caminhava o outro homem começou a contar-lhe um pouco mais sobre o cliente.

– Sei que tínhamos mantido em sigilo a informação até agora, pois assim nos foi solicitado, mas como requisitaram sua presença, acredito que não tenha mais porque esconder. – Peter olhou indiferente para o homem ao seu lado, não lhe importava saber quem tinha contratado os serviços, mas o seu gerente pareceu não notar o óbvio e continuou. – Nosso cliente é a Agência Espacial.

O sangue de Peter gelou. Seria somente coincidência ele ter hackeado a NASA na noite anterior e justamente eles estarem ali, em seu local de trabalho, para falar com ele agora? Não era possível que tivesse sido descoberto tão rapidamente, ele tinha certeza que havia coberto todos os seus rastros. Eles chegaram a sala e seu gerente abriu a porta, entrando sem cerimônias. O coração de Peter ainda batia acelerado quando o seguiu ao interior do recinto. Um homem pomposo, vestido em um terno bem cortado, se aproximou de Peter e estendeu sua mão em um cumprimento.

– StreamingP? Sou Joshua Kane e acredito que precisamos conversar.

Helder – 3 anos antes

Ele estava sentado na cafeteria terminando sua refeição antes de começar o plantão da noite no hospital. Estava cansado, acabara de vir de uma cirurgia longa de emergência e tentava repor suas energias para o turno que estava por vir. Duas enfermeiras vinham conversando e assim que o viram começaram a cochichar.

– Aquele não é o médico da televisão? – uma delas disse tapando a boca para tentar abafar a pergunta.

– É ele sim. Não te falei que ele trabalhava aqui! – As duas deram uma olhada de canto na direção de Helder e começaram a rir, cochichando mais alguma coisa antes de se afastarem.

Ultimamente, em todo lugar que ia, sempre tinha alguém que o reconhecia. No começo era engraçado, mas agora esse tipo de situação estava começando a lhe perturbar. Lógico que não teria deixado de fazer o que fez, mas se soubesse no que daria, talvez tivesse evitado tanta exposição. Há umas duas semanas, Helder estava na clínica, onde trabalha como voluntário, em um dos bairros mais carentes da Breslávia, quando uma mãe entrou gritando desesperada enquanto paramédicos traziam seu filho, que tinha sido atropelado, em uma maca. Uma equipe de filmagens de uma emissora local que tinha recebido autorização para gravar dentro do prédio e fazia uma matéria sobre os resquícios da segunda guerra que ainda existiam na região, aproveitou o furo de reportagem e acompanhou todo o atendimento que Helder fez a criança vitimada. Não fora um caso fácil, o menino estava muito ferido, foi operado as pressas e sofreu duas paradas cardíacas no processo, mas felizmente sobreviveu. Tudo isso foi televisionado no jornal local na mesma noite e reprisado em alguns outros programas posteriormente, fazendo com que o médico virasse o “Herói de Nadodrze”. Era ridículo! Afinal não estava fazendo mais do que sua obrigação, mas aparentemente quase todos os que assistiram ao noticiário não pensavam da mesma forma que ele. Helder se levantou, pegando a bandeja e a devolveu ao balcão. Pensando bem, ele não teria como ter feito nada de diferente na ocasião, porque na hora não tinha cabeça para mais nada além do garoto, o problema todo foi tudo ter acontecido justamente no dia em que a equipe de televisão estava lá e esta, ao invés de fazer seu trabalho, ter voltado seu foco ao grande médico e seu pequeno paciente prestes a morrer. Mas o que não tem remédio, remediado está! Logo todo o alvoroço produzido pela matéria desapareceria e ele voltaria a sua vida normal, pelo menos assim esperava. Passou pelas portas da cafeteria indo em direção ao vestuário, precisava pegar algumas de suas coisas antes de começar a segunda jornada de trabalho do dia.

Helder estava dentro de seu carro indo para a clínica, eram mais de quatro horas de viagem, motivo pelo qual somente agora tinha conseguido tempo para voltar ao local desde que tudo acontecera. Alguns de seus colegas de trabalham diziam que ele era louco, que se quisesse fazer caridade que fosse em um lugar mais perto, mas ele não se importava com isso, gostava da cidade e da comunidade, sentia que ali era seu lugar. Lógico que no começo não fora assim, sua residência tinha sido em um hospital em uma cidade próxima de onde a clinica se situava e foi quando aceitou o emprego atual que a distância se tornou um problema, mas apesar disso ter diminuído sua disponibilidade consideravelmente, ele não havia desistido, sempre que podia voltava para a cidade e continuava com seu trabalho voluntário. Ele chegou e viu uma fila enorme de pacientes que lotava a recepção em seu aguardo. Suspirou. Era de se imaginar que os efeitos do caso televisionado seriam muito maiores naquela região, parecia que todos queriam um minuto com o famoso “Herói de Nadodrze”. Educadamente passou pelas pessoas e pegou as fichas com a recepcionista, que as entregou com um sorriso aberto sem tirar o olhar de admiração que sustentava no médico. Respirou fundo, admitindo para si mesmo que estava um pouco decepcionado com a situação e foi para a sua sala. Bem, quem sabe todos ali realmente precisassem do médico e não do herói? Pensou, tentando se animar enquanto chamava o primeiro paciente.

Mesmo cansado decidira que retornaria para casa, sem permanecer na cidade. Dava para contar nos dedos todos os pacientes que viu no dia que realmente precisavam de atendimento, aquilo tinha saído do controle. Cortava seu coração, mas pensou que talvez fosse melhor dar um tempo da clínica até que a poeira abaixasse. Helder percebera que o carro que ia a sua frente na estrada ocasionalmente invadia a outra faixa para logo em seguida retornar ao seu ponto de origem, como tinha um caminhão liderando a fila, imaginou que o condutor do veículo estivesse escolhendo o melhor momento para ultrapassagem, mesmo assim, por via das dúvidas, resolvera deixar certa distância do mesmo. Lá ia ele, mais uma vez, invadir a pista contrária, parecia que desta vez tinha decidido fazer a manobra arriscada que tanto ansiara. Mas tinha algo de errado, o automóvel não seguiu paralelamente ao caminhão como era esperado, ele atravessou diretamente a faixa reversa indo parar para além do acostamento e só parou quando bateu de frente em uma árvore. Helder rapidamente fez sinal para fazer o retorno e estacionou no acostamento do outro lado, deixando o carro ligado com o pisca alerta acesso e correu até o outro veículo. A mulher que ocupava o banco do condutor se contorcia convulsivamente presa ao assento pelo cinto de segurança. Helder soltou o equipamento de segurança pegando-a com cuidado e deitando-a de lado no chão, depois tirou o próprio casaco para que servisse de apoio a sua cabeça e protegeu a mesma até que a crise passasse. Aos poucos a contração foi diminuindo e a consciência da mulher retornando.

– Onde estou? O que foi que aconteceu? – ela disse um pouco atordoada.

– Calma! Você teve uma crise convulsiva e sofreu um acidente de carro. Meu nome é Helder, sou médico, posso te examinar? – A moça ainda confusa acenou com a cabeça positivamente, Helder ajudou-a a se levantar e colocou-a sentada no banco para que verificasse se havia algum outro trauma, sorriu satisfeito quando concluiu que todos os outros ferimentos provenientes do acidente eram somente superficiais. – Meu carro está logo ali, venha, eu te levo para o hospital mais próximo.

Não conversaram muito durante o caminho. A mulher agora dormia virada de lado no banco do passageiro de Helder. Ela tinha dito que seu nome era Julia e insistira para que fossem direto para Varsóvia, como estava certo de que o caso não era urgente, aceitou seu pedido sem questionar. Ele tinha ligado para o hospital avisando que estava levando uma paciente para ser examinada, então não estranhou quando viu dois enfermeiros o esperando na porta do hospital com uma cadeira de rodas.

– Então o herói atacou novamente! – um deles falou debochado, cutucando o obro de Helder. Ele sorriu um pouco sem jeito. Julia olhou de um para outro e posou seu olhar no médico.

– Sabia que te conhecia de algum lugar, você é o herói de Nadodrze! – a moça exclamou surpresa enquanto o enfermeiro voltava a rir. A face de Helder corou ligeiramente. – Não gosta do apelido não é? – ela disse percebendo sua reação. – Mas deveria se acostumar, cai bem para você! – Helder arregalou os olhos surpreso enquanto o enfermeiro caia na gargalhada.

– Tudo bem! Vou tentar lembrar disso – ele disse um pouco sem jeito. O enfermeiro, ainda rindo, bateu no ombro do médico em consolo e virou a cadeira de rodas para entrar no hospital. Helder já alcançava o carro quando escutou o outro homem gritar.

– Ei, super homem, esqueci de falar que o diretor pediu para que fosse a sua sala antes de ir embora.

Helder ainda processava a conversa que tivera com o diretor de seu hospital, tudo era muito surreal para ser verdade e mesmo assim ele aceitara a oferta sem nem pestanejar. Qualquer oportunidade de aprender algo novo lhe fascinava. Deitado em sua cama, sorriu consigo mesmo com a ironia de tudo aquilo: ele não era herói de lugar algum, mas quem diria que justamente ele iria voar?