Enzo – 3 anos antes

Enzo estava debruçado em seu aeromodelo ajustando os últimos retoques, depois de muito aperta daqui, aperta de lá e alguns contorcionismos para alcançar os lugares mais difíceis, ele levantou, esticou os braços para o alto se espreguiçando, olhou para o objeto e deu um suspiro de satisfação. Contemplava sua obra, a nave não era muito grande, tinha um pouco menos de um metro de comprimento com quase dois de largura, mas tinha potencial para fazer um estrago dentro daquele espaço fechado. Ele passou a mão na testa limpando o suor enquanto pegava o controle em cima da mesa. Com um ruído agudo o motor da nave começou a funcionar e esta lentamente levantou no ar, planando de início, porém em pouco tempo já estava dando voltas pelo galpão. Um homem, magro com a barba tão comprida que compensava a falta de cabelo, vinha em sua direção e levou um susto quando a aeronave passou raspando por sua cabeça, Enzo começou a gargalhar.

– Fazendo isso de novo? – ele disse mal humorado.

– Não é pra isso que somos pagos? – Enzo respondeu ainda olhando para o objeto que agora sobrevoava a estação de trabalho de outra equipe.

– Não exatamente para isso! – o outro respondeu bufando. Enzo ia contra argumentar quando escutou um barulho e virou para ver o que estava acontecendo. O avião soltava uma fumaça branca em engasgos contínuos, o italiano tentou controlá-lo mais um pouco, mas o objeto caiu em linha reta, como uma flecha, bem em cima da mesa de trabalho que sobrevoava, causando um pequeno estouro ao fazê-lo. Todos os presentes no galpão viraram para encarar os dois rapazes que olhavam estupefatos o acidente. – Meus Deus, Enzo, agora sim seremos demitidos – o barbudo falou alarmado.

– Relaxa Luigi, eu resolvo isso! – Enzo disse entregando o controle para o colega e já indo em direção à estação de trabalho que acabara de danificar. – Não me olhe assim Paolo! Tenho certeza que não foi nada demais, a gente dá um jeito nisso! Não somos todos uma grande equipe, forte e unida? A propósito, como vai a esposa? E os filhos? – ele disse se aproximando do homem enfurecido na outra estação, Luigi balançou a cabeça em negativa e começou a rir. Certas coisas nunca mudavam!

Enzo caminhava emburrado pelo corredor, tinha sido advertido e também fora cortado do projeto importante em que trabalhava com o protótipo por conta do incidente com o aeromodelo. Paolo idiota! Precisava ter ido fofocar para a gerência sobre isso? Já tinha arrumado o estrago, bem, parte, mas o que eram algumas partes queimadas? Ele não ligava para a advertência, mas o chateava não poder mais trabalhar no projeto, sabia que algo importante sairia de lá, tinha percebido todo o alvoroço que aquilo tinha gerado na empresa inteira. Agora ele estava de fora de qualquer que fosse o benefício gerado por conta do ataque de um cara de meia idade! Sacudiu a cabeça e respirou fundo, bem, não adiantaria nada chorar o leite derramado. Chegou à sala e apertou o botão para abrir a porta de vidro. Não poderia mais trabalhar no protótipo, mas pelo menos estaria lá para vê-lo funcionar. A máquina era enorme para os padrões fabricados por eles, quase do tamanho real de uma cápsula espacial, e ela estava acomodada em um espaço amplo e fechado do prédio. Desde que o projeto fora lançado Enzo se perguntava os motivos por trás daquilo, afinal seu país não era reconhecido por viagens espaciais, então por que fazer um protótipo como aquele? Hoje seria o primeiro teste de muitos do projétil e somente seria verificado se a nave estava ligando corretamente e se todas suas funções estariam acessíveis. Apesar de ser um teste simples a euforia de Enzo só aumentava enquanto via a equipe fazer os últimos ajustes para começar os trabalhos. A verdade era que não se importava se aquilo tudo era muito estranho, queria mesmo era ver o treco funcionando. Ficou imaginando uma viagem a bordo de algo parecido com aquilo, seria sensacional! A equipe terminou e foi até os controles externos começar os procedimentos. Tentaram algumas vezes sem sucesso até que a sala se encheu com o barulho dos motores. Estava tudo indo muito bem até que o objeto começou a deixar de responder alguns dos controles. Os técnicos mexiam nos computadores tentando resolver o problema quando um estouro ecoou por toda a sala. Uma fumaça escura tomou conta do espaço reservado e algumas pessoas que estavam no auditório começaram a sair da sala correndo em desespero. Enzo pulou a barreira de segurança que dividia os dois espaços e correu em direção da máquina.

– Ei, o que você pensa que está fazendo? – um dos técnicos gritou.

Enzo não deu satisfação e segurou sua camiseta no nariz para conter a fumaça enquanto se aproximava do painel de controles do protótipo. Ele tirou a placa de metal que cobria a placa principal da máquina e começou a mexer. Tinha algo ali que estava em curto, tinha que resolver o problema antes que todos ali fossem pelos ares com uma explosão. Ele procurou por fios danificados ou manchas até que conseguiu achar, em um canto bem escondido um emaranhado de condutores derretidos. Como fazer para isolar a corrente sem nenhuma ferramenta disponível? Ele pensou até que lembrou que trazia em seu bolso um grampo de borracha que ele guardara no bolso na hora do incidente com o aeromotor. Até que o acidente veio bem a calhar no final das contas, pensou. Ele fez os ajustes necessários e conseguiu com que a corrente elétrica fosse cortada da parte danificada. Pronto! Sua parte estava feita, a equipe poderia continuar os ajustes agora sem qualquer perigo. A fumaça começava a sufocá-lo, então ele correu seu caminho de volta para fora da área de trabalho. Quando ele apareceu os poucos que ainda restavam no ambiente o olhavam atônitos. Luigi correu ao seu socorro.

– Você é mesmo muito louco, sabia disso? – o barbudo disse enquanto apoiava o colega no ombro.

– Alguém tinha que ser! Pelo menos agora estamos a salvo – Enzo respondeu dando uma piscadela enquanto tossia.

No dia seguinte Enzo fora chamado no primeiro horário na sala da diretoria. Luigi pensara que agora que aquele maluco estava encrencado, quantas advertências mais um funcionário poderia receber antes de ser demitido por justa causa? Achou estranho quando Enzo entrou na estação de trabalho com um sorriso de orelha a orelha.

– E ai? – perguntou incerto.

– Luigi, meu amigo, Neil Armstrong que me aguarde, porque o Enzo aqui está indo para o espaço! – respondeu debochado se sentando em sua cadeira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s