Josh – 3 anos antes

Já fazia alguns dias que Josh estava trabalhando de casa. Tinha pedido um afastamento para resolver alguns assuntos pessoais, algumas regularizações de documentos da casa que não poderia mais adiar. Como estava no meio do desenvolvimento de um projeto importante, a solução em que chegaram foi a que ele fizesse o que tinha que fazer, porém continuasse com o seu trabalho remotamente. Josh não se importou com o acordo, sabia que não conseguiria sair no meio do projeto e na verdade nem ele queria isso. No começo ficou preocupado com o que seu parceiro iria pensar, mas logo se tranquilizou. Peter não era do tipo sociável, provavelmente nem notaria sua ausência e com tanto que Josh entregasse sua parte do acordo sabia que ficaria tudo certo. Fazia novamente seu caminho para o cartório da cidade, já tinha perdido as contas de quantas vezes tinha ido e voltado daquele lugar somente naqueles três dias em que estava fora da empresa, hoje era sua última chance de conseguir resolver aquela novela, pois voltaria a trabalhar normalmente no dia seguinte, já tinha perdido muito tempo com tanta burocracia. Josh tivera uma infância difícil em um bairro periférico da cidade, seu pai havia sumido quando ele ainda era uma criança e sua mãe teve que, sozinha, criá-lo e a seus quatro irmãos. Hoje em dia ele morava sozinho com sua mãe, todos os outros já estavam casados ou tinham sumido na vida.

– Mas como assim ainda não liberaram? Não é possível uma coisa dessas – ele disse impaciente batendo no tampão da mesa.

– Isso é assim mesmo! – a atendente respondeu um pouco intimidada. – Informaremos por e-mail assim que toda a documentação tiver regularizada.

Josh saiu do recinto bufando de raiva, com certeza não era a resposta que ele queria escutar. Tentou se acalmar pensando que pelo menos a papelada estava certa, era só mesmo ter paciência para esperar algum figuração ter a boa vontade de liberar a documentação. Foi pensando no meio do caminho em como as coisas em sua vida pessoal andavam difíceis nesses últimos tempos, parecia que nada do que fazia acabava dando certo, felizmente, pelo menos profissionalmente, isso parecia estar indo no sentido oposto. Decidiu que assim que chegasse a sua casa terminaria sua parte do projeto e enviaria para a empresa, não queria ouvir no dia seguinte sermões ou qualquer outra reclamação sobre ele não ter cumprido com a sua obrigação. Passava da meia noite quando ele finalmente conseguiu colocar os últimos arquivos na rede da companhia. Estava cansado, queria somente tomar um banho e ter uma longa noite merecida de sono. Josh foi até a cozinha tomar um copo de água quando seu celular começou a vibrar no bolso da calça.

– Josh, graças a Deus que você atendeu! – A voz de sua irmã soava urgente do outro lado da linha. – Venha me ajudar, por favor! O Paul endoidou – ela disse a frase entre soluços. Josh escutava sons abafados de batidas na porta e a voz do marido de sua irmã gritando seu nome ferozmente.

– Onde você está Alisha?

– Estou em casa, trancada no banheiro. – O som das batidas continuava e a cada investida Alisha soltava um soluço de desespero. – Por favor, Josh, venha rápido! E não conte nada para a mamãe. Por favor!

Josh dirigia a toda velocidade pela cidade, passando cada sinal vermelho que tentava fazer com que ele diminuísse o ritmo. Ele sempre soube que Paul era um sádico, já havia alertado Alisha antes mesmo de se casar que o sujeito não prestava, mas ela pensou ser somente implicância de sua parte. Se aquele sujeito tivesse feito algo a sua irmã… O sangue de Josh fervia enquanto ele cortava as ruas noite a dentro. A porta de entrada da casa estava entreaberta e ele não pensou duas vezes, invadindo o lugar em um rompante.

– Alisha! – gritou, chamando pela irmã. Um homem um pouco menor do que Josh, de cabelo raspado e pele clara apareceu no corredor. Parecia estar bêbado e muito transtornado.

– O que você está fazendo aqui? Deixe-nos em paz! Isso é assunto de marido e mulher – ele falou enrolado encarando Josh.

– Josh! – Alisha apareceu e saiu correndo de encontro a Josh abraçando-o fortemente. Ele retribuiu o abraço sem tirar os olhos de Paul em nenhum momento, depois afastou com delicadeza a irmã para enxergá-la melhor. Seus olhos estavam marcados por hematomas e seu lábio tinha uma rachadura de um machucado recente que ainda vertia um filete de sangue.

– Seu desgraçado! – Josh empurrou a irmã para o lado e avançou para cima de Paul. Alisha tentou parar o irmão enquanto este espancava o outro homem repetidamente. Paul já estava inconsciente quando o barulho das sirenes invadiu o ambiente e homens uniformizados entraram no local, contendo Josh e o levando para a viatura.

Já fazia três dias que Josh estava preso naquele cubículo. Agora que ele andava de um lado ao outro da pequena cela se sentia arrependido. Não de ter batido em Paul, ele pediu por aquilo, mas por ter perdido a cabeça. Alisha já tinha contado sua versão da história aos policiais, mas Paul estava internado em estado grave no hospital e como aquela agressão não era a primeira na ficha de Josh, ele, desta vez, iria precisar de um bom advogado se quisesse sair desta livre. Por que você nunca pensa antes de agir, Josh? Ele repetia a frase a si mesmo como um mantra. Seu coração começou a acelerar, estava acabado! Não fazia nada direito e naquela altura do campeonato já teria perdido a única coisa boa que tinha, seu emprego. Justamente agora que estava participando de algo tão importante e que esperava colher grandes resultados disto, estava ali trancafiado como um animal selvagem. Os guardas o levaram para a sala de visitas. Uma mulher elegante, alta, loira e de olhos claros o esperava dentro do recinto e assim que o viu entrar abriu um sorriso sagaz. Josh olhou confuso por um momento para ela, seria sua nova advogada?

– Josh Noah? Sou a Srta. Velis, trabalho com o governo. Por favor, sente-se – ela disse indicando a cadeira a sua frente, Josh ainda confuso fez o que a mulher sugeriu e esta olhou para ele satisfeita. – Vou ser direta com você, Sr. Noah, o motivo de eu estar aqui é porque queremos soltá-lo e fingir que nada disso aconteceu, mas antes preciso que escute a proposta que temos a lhe fazer!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s