Sakura – 3 anos antes

Final de Abril em uma tarde gostosa de primavera, todos os preparativos já estavam sendo arrumados desde cedo. Pessoas corriam de um lado ao outro levando roupas, acessórios e verificando os últimos detalhes da decoração. Sakura estava sentada em frente ao espelho em uma sala reservada do templo, esperando a outra mulher terminar de pintar seu rosto de branco.

– Terminei. Você está linda, Sakura! – anunciou a senhora com um sorriso no rosto, já guardando o material da pintura.

A pequena japonesa abriu os olhos devagar e encarou seu reflexo no espelho, teve vontade de chorar, mas segurou as lágrimas para que não estragasse a maquiagem recém aplicada. Seu cabelo enrolado em um penteado trabalhoso cheio de flores, pérolas e pendentes de ouro reluzia com os raios de sol que entrava pela janela. Ela se levantou e ajeitou seu quimono de seda branco, dando uma última olhada em si mesma. Estava pronta! Em poucos minutos ela entraria por uma entrada daquele templo e Kazuki, seu futuro marido, pela outra e os dois fariam seus votos de laços eternos na frente de toda sua família e amigos.

A cerimônia aconteceu exatamente como prevista. No altar dependuravam-se os dois rosários budistas simbolizando as duas famílias que ali se uniriam. O cheiro de incenso tomando conta do ambiente, contrastando perfeitamente com o odor que vinha das flores que enfeitavam o portal vermelho e os bancos de madeira. O religioso começou celebrando o ritual de purificação dos noivos e convidados para logo em seguida começar a cerimônia de casamento. Quando Sakura chegou, Kazuki já a esperava no altar em seu quimono de seda preto, seus olhos brilhavam como nunca e ela sentiu vontade de chorar pela segunda vez naquele dia, respirou fundo e segurou as lágrimas mais uma vez. Após as palavras do religioso os dois se olharam nos olhos e disseram seus votos de amor e fidelidade enquanto suas famílias, seguindo a tradição, se encaravam, de frente uma para a outra, sem olhar para o casal que fazia suas juras. Os noivos trocaram suas alianças e se dirigiram ao santuário para fazer suas oferendas aos Deuses. Galhos da árvore sagrada foram sacudidos sobre suas cabeças, para finalmente o casal se sentar em frente à mesa e concluir a celebração com o ritual do saquê. Pela primeira vez naquele dia Sakura se sentiu insegura. Tudo era muito simples, os dois deveriam olhar nos olhos um do outro e apreciar um gole da bebida, logo em seguida depositariam os copos na mesa ao mesmo tempo, simbolizando que o casal teria uma vida longa juntos. Kazuki acabou colocando seu copo em cima da mesa alguns segundos antes que ela pudesse fazer o mesmo e um frio percorreu por toda sua espinha. Pela tradição, aquilo significava que ele iria morrer antes dela. Sacudiu um pouco a cabeça e respirou fundo mais uma vez. Tudo tinha sido perfeito até aquele momento e aquilo era somente um ritual bobo, não tinha sentido ser levado tão a sério.

O salão estava lindamente decorado com flores vermelhas e brancas em todos os lugares que se olhava. Antes que a comida fosse servida, sua família e a de seu marido se apresentaram aos convidados, bem como os próprios noivos. Sakura tinha trocado seu quimono por um vestido de casamento tradicional ocidental que tinha visto em uma revista e mandara fazer igual. Kazuki também usava um terno comum agora. Tudo na recepção estava perfeito: as comidas e bebidas, as músicas, as danças, o karaokê, os discursos emocionantes dos amigos e familiares. Sakura não poderia ter pensado em uma festa melhor, mesmo que quisesse. Quando os convidados começaram a entregar os envelopes com os presentes a pequena japonesa não conseguiu mais conter as lágrimas e chorou. Já tinha esperado tempo suficiente contendo suas emoções, era seu dia, seu momento, tinha o direito de colocar para fora toda a felicidade que sentira até ali. Ao final Sakura e Kazuki se levantaram e de mãos dadas agradeceram a presença de todos os seus convidados. Sob uma chuva de aplausos os noivos entregaram um buque de flores para cada uma de suas mães e um cravo vermelho aos seus pais.

Sakura passava os dedos nos cabelos para desfazer os nós feitos pelo penteado elaborado que usou na cerimônia. Ainda não acreditava que estava ali, naquela suíte, casada com Kazuki em sua noite de núpcias. Foi até o quarto e viu seu marido debruçado na varanda encarando a cidade com uma expressão pensativa.

– Algum problema? – ela disse parando ao seu lado. Ele a olhou por um instante para logo em seguida dar um beijo em sua testa com carinho.

– Nenhum. Eu só gostaria que tivéssemos tido tempo de ter uma lua de mel de verdade. – Ele suspirou soltando um leve sorriso. Ela o olhou por um momento. Sabia que, de fato, eles não teriam uma lua de mel. Não tinha se preocupado com isso até então, mas agora, olhando para ele, também queria ter mais tempo a sós com o seu marido. Mas isso não iria acontecer! Seus desempenhos excepcionais, em um projeto que tinham trabalhado em conjunto, os levou a serem convidados para um experimento único e, em menos de uma semana, os dois estariam embarcando para os Estados Unidos, arruinando assim todos os planos de uma viagem elaborada para celebrar seu casamento. Sakura se aproximou de Kazuki e deu um beijo demorado em seu marido.

– Não tem importância Kazuki! – Ela olhou o parceiro com ternura, acariciando seu rosto com a parte de trás da mão. – Vamos fazer desse experimento a nossa lua de mel. Aposto que nunca, ninguém, terá uma igual! – Ele soltou um sorriso, beijando sua mão e a puxando para dentro do quarto novamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s