Louis – 3 anos antes

– Alguém tem mais alguma pergunta? – Louis disse virando-se para a plateia de alunos que o assistia. Ainda estava atordoado com o telefonema que recebera cedo naquele dia, jamais teria imaginado que lhe fariam uma proposta daquelas em qualquer momento que fosse de sua vida, ainda mais agora. Uma garota magra, de cabelo curto e bagunçado, vestida em uma camiseta do Deep Purple levantou a mão. Ele apontou para ela sinalizando para que prosseguisse e tentou esvaziar sua mente se concentrando na dúvida de sua aluna.

Louis se surpreendeu ao ver que o horário do término da aula já tinha acabado, o assunto questionado acabou levando mais tempo do que ele havia esperado, o que era ótimo, afinal aquilo o havia feito esquecer de qualquer outra coisa que estivesse em sua cabeça. Enquanto ele arrumava o material dentro de sua maleta, os alunos iam se levantando e já se amontoavam na porta da sala para deixar o recinto.

– Ah… não esqueçam que semana que vem é o prazo final para a entrega do trabalho, ele vale a nota do semestre!

Alguns presentes sinalizaram concordando com a cabeça, mas a grande maioria já tinha ido embora. Alguns poucos ainda estavam aglomerados na saída, porém nenhum deles deu um sinal qualquer de que o tinham escutado. Algo do lado de fora atraia suas atenções e rendia muitos olhares e cochichos. Louis terminou de colocar seus livros dentro da maleta, pendurou esta em seu ombro e encaminhou-se até a porta. Do lado de fora, uma mulher de cabelos longos ondulados e pretos com olhos azuis estava recostada com um de seus ombros na parede, mexendo em seu celular, completamente alheia aos olhares dos jovens que passavam por ela. Destoava de todo o cenário ao seu redor, não era à toa que estava chamando tanta atenção. Parecia que tinha saído de uma capa de revista de moda. O professor chamou a atenção de seus alunos até que todos deixassem o local, depois voltou sua atenção para a mulher.

– Adeline? O que faz aqui? – A moça levantou o olhar do celular pela primeira vez até então, sua boca se abrindo em um leve sorriso.

– Finalmente! Achei que essa aula não teria fim. – Louis balançou um pouco a cabeça em negativa soltando um leve suspiro. Tanto tempo sem se verem e era isso que ela tinha para falar a ele? Adeline o agarrou pelo braço e o puxou corredor adentro, abrindo caminho por entre os alunos em direção à praça de alimentação. – Precisamos conversar.

O francês olhava fixamente para a moça sentada a sua frente, simplesmente não sabia como reagir ao que ela estava dizendo. Já fazia muito tempo que não a via, eram muito próximos na infância, mas eles tomaram caminhos diferentes na vida e isso acabou os afastando pouco a pouco. Nunca imaginou que Adeline pudesse vir até sua universidade só para encontrá-lo, então foi uma surpresa quando a viu parada a sua porta, sabia que algo sério estava acontecendo. Ainda não tinha decidido se ficava mais surpreso com a visita ou com o fato de ela ter recebido a mesma proposta que ele. Não, definitivamente o mais estranho em tudo aquilo era Adeline estar realmente considerando a possibilidade de fazer parte daquele projeto. Sempre passara longe do perfil aventureira e a ideia de uma pessoa como ela estar envolvida em algo como aquilo era surreal para ele. Deu de ombros. Não estava em posição de julgar ninguém, afinal ele mesmo não se considerava apto para tal situação. Adeline levantou-se, recostando a cadeira e levando consigo a lata do suco que tomava.

– Eu sei que você tem uma mulher e filhos, mas pense bem Louis, é uma oportunidade única de autopromoção. – Adeline piscou para ele.

– E para que eu iria querer isso, Adeline? Minha vida é muito diferente da sua e eu estou feliz com o jeito que ela é agora. Admito que o convite seja tentador, mas como você bem lembrou eu tenho uma família, não posso me dar ao luxo. – Ela olhou para ele com seriedade, seu olhar quase suplicante. Louis sentiu uma pontada de culpa, mas logo tentou afastá-la. – Você não precisa de mim para isso, Adeline, alias não precisa de ninguém para nada – ele disse com todo o carinho que tinha por ela. – Se isso é importante para você, vá, te dou total apoio! Eu mesmo já teria aceitado se as circunstâncias fossem outras.

– Não consigo sozinha – ela disse baixo. Louis a olhou com desconfiança, tinha certeza que tinha escutado errado, aquela não era a Adeline que conhecia. – Não tenho estômago para fazer algo desse porte sozinha, Louis. Preciso de você! – Ela continuava de cabeça baixa, sem encará-lo. Parecia ser uma tortura admitir sua vulnerabilidade. Ele não sabia o que dizer. Adeline respirou fundo e jogou os cabelos para trás, quando olhou para ele estava com um sorriso no rosto como se nada tivesse acontecido. – É uma grande oportunidade. E outra, conheço esse povo, trabalho com eles há anos! Vivem no mundo da lua. Esse projeto não irá para frente, acabará sendo somente umas férias nos Estados Unidos. Não me diga que não está precisando de uma? – Ela piscou novamente para o francês. Ele continuou a olhá-la, sem responder. Ela pegou sua bolsa e colocou a lata de volta em cima da mesa. – Pense com carinho e me ligue quando resolver – disse deixando Louis sozinho no restaurante.

Louis passou o jantar inteiro calado, pensando em tudo que acontecera naquele dia. Levou as crianças para o quarto e as colou para dormir, contando uma historinha de ninar. Cobriu cada um deles, beijou suas testas e, dando uma última olhada, apagou a luz deixando o quarto. Sua mulher estava sentada no sofá assistindo televisão, Louis sentou ao seu lado a abraçando.

– Ainda está com aquele telefonema na cabeça? – ela perguntou se aconchegando em seu peito.

– Adeline foi me procurar na universidade hoje. Ela também foi convidada a fazer parte do projeto e insistiu muito para que eu a acompanhasse. – A mulher levantou de leve a cabeça para encará-lo, uma sobrancelha levantada.

– Por essa eu não esperava! – ela confessou, depois ficou um tempo observando o semblante do marido. – Sei como tudo isso mexeu com você, querido. Talvez a aparição de Adeline seja o impulso que faltava para você aceitar o convite. A universidade tem um acordo com os organizadores do projeto, não é mesmo? – Louis acenou com a cabeça afirmando. – Está vendo? Parece que tudo quer que você diga sim.

– Eu não posso deixar você e as crianças por tanto tempo! E além de tudo é algo muito perigoso – ele falou com a voz carregada de dúvidas, estava muito dividido sobre o que faria. A mulher se levantou e pegou seu rosto entre as mãos.

– Qualquer coisa é perigosa Louis, você pode sair amanhã para trabalhar e não voltar mais! Estou vendo o quanto você quer isso e eu te amo por sempre pensar em sua família, mas não se prenda por nossa causa. Eu sentirei muito sua falta e as crianças também, mas estaremos exatamente aqui quando voltar, te esperando. Então siga seu coração e nos deixe orgulhosos! – ela disse com um dos braços levantados com se estivesse torcendo por ele. Louis puxou-a para si e lhe deu um longo e apaixonado beijo. Quando se soltaram ele se levantou sobressaltado, a adrenalina corria por suas veias.

– Tenho que ligar para Adeline.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s