Vida de Solteira – Amigo do Facebook

Valentina estava animada desta vez, nem esperava que fosse ficar tão empolgada com algo tão inusitado, mas estava. Há umas três semanas, um rapaz a havia solicitado amizade no seu perfil do Facebook, ela não o conhecida, mas viu que ele era um amigo de uma colega de um curso que fizera há alguns anos atrás, então resolvera aceitar a solicitação. Parecia um sujeito encaminhado e era bonitinho então, por que não? E desde então os dois não paravam de trocar mensagens. Pensou em como era a vida, já estava há meses naquela porcaria de aplicativo e não tinha conseguido encontrar um cara decente até então e ai, do nada, aparece esse homem tão interessante em um lugar que sempre esteve. Ele já tinha até passado pelo teste do primeiro encontro, a ocasião tinha sido um sonho se comparada aos últimos poucos que tivera! Era por isso que tinha acabado de aceitar vê-lo novamente e a razão de estar tão animada.

Ele foi buscá-la em sua casa e seguiu para o cinema como haviam combinado. Seu celular, que estava fixado no suporte e mostrava o caminho que fariam, começou a tocar e rapidamente o rapaz puxou o aparelho para atender a ligação, não rápido o suficiente para que Valentina não visse o: “Mamãe ligando” piscando em sua tela. Ela achou engraçado o jeito como ele havia cadastrado o número de sua mãe no telefone, raramente ouvia pessoas daquela idade chamando suas matriarcas com aquela palavra, geralmente era usada no diminutivo, mas achou bonitinho, um pouco interiorano.

Não sabia ao certo como aquilo tinha acontecido, mas lá estavam Valentina, o rapaz e a mãe dele no cinema. Eles correram para a casa dele depois do telefonema, pois sua mãe tinha dado a entender que estava passando muito mal e estava precisando de socorro, porém logo que chegaram a mulher, toda produzida, já foi entrando no carro dizendo que estava melhor, mas que seria mais sensato se fosse junto com eles só para garantir que não acontecesse algo de errado novamente. E foi assim que seu encontro acabou contando com uma pessoa não programada. O filme acabou, eles foram comer alguma coisa e depois os dois deixaram Valentina em sua casa. Ela abriu a porta de entrada e suspirou. Admitia que a noite não tinha sido de todo ruim, não fora nada como ela havia imaginado, porém tanto o rapaz quanto sua mãe a trataram com muito respeito à todo o momento, então não era como se tivesse realmente algo do que pudesse reclamar. Era até bonito de ver como ele cuidava bem de sua mãe, mas toda essa demonstração de carinho tinha que acontecer tão cedo? Afinal era somente seu segundo encontro com o sujeito. Bem, não crucificaria o cara ainda só por ter cuidado de sua mãe, não era isso que todo mundo queria no fundo? Alguém que se importasse com os outros? De família? Decidiu ver como as coisas rolariam.

Eles continuaram conversando e se encontrando, o rapaz cada vez mais empolgado com Valentina. Seria perfeito se a mãe não desse um jeito de aparecer em todas as ocasiões. A mulher tinha até mesmo adicionado Valentina ao Facebook e já conversava mais com ela do que o próprio filho. Era parque, cinema, restaurante, teatro. Em todos os lugares o trio sempre estava junto, alguns deles, inclusive, eram escolhidos pela própria mulher. No começo Valentina relevou a situação, tinha ficado com pena da mãe do rapaz, pois ele a contara que não fazia muito tempo tinha perdido o pai e desde então sua mãe nunca mais saíra para lugar algum, completou o discurso dizendo que era muito importante para ele ver que sua mãe tinha visto uma amiga em Valentina, foi por isso que tinha se segurado até então, porém não aguentava mais a presença da mulher em todos os lugares que ia com o rapaz. Queria estar só com ele! Mas não achava certo rejeitar a pobre senhora, afinal ela nunca havia lhe tratado mal, quem tinha que contornar aquela situação era o filho dela, mas o rapaz parecia gostar cada vez mais daquilo tudo. Em uma certa tarde, enquanto o trio passeava em um parque, Valentina decidiu que levaria a situação para o tudo ou nada, afinal ela nem estava namorando com o rapaz e já estava carregando a sogra para baixo e para cima, como ficariam as coisas se acaso a relação deles evoluísse? Aproveitou que a mulher estava mais afastada olhando os patos no lago e fez sua proposta.

– Estava pensando, e se na semana que vem a gente estendesse nosso encontro e sei lá, fossemos a um motel? – Seu rosto enrubesceu por ter feito o convite tão diretamente, mas era a única situação onde se imaginava livre da presença da mãe do rapaz. Ele olhou para ela por um tempo e pareceu se empolgar.

– Que ótima ideia! Mamãe adora uma hidromassagem. – Ele se levantou da grama em que estava sentado, deu um beijo em sua testa e até a mulher que estava perto do lago contar a novidade.

No dia seguinte Valentina mandou uma mensagem à mãe do rapaz. “O problema não é você, sou eu…”. Terminou tudo naquele instante, afinal sua relação era com a mulher e não com o filho. Valentina apagou ambos de suas redes sociais e voltou aos aplicativos de relacionamento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s