Elissa – 3 anos antes

Fechou as cortinas, mas mesmo assim deixou a janela entreaberta. Era raro fazer um dia tão bonito quanto aquele e queria aproveitar ao máximo o calor do Sol, porém sabia que a luz incomodava sua mãe. Elissa colocou a bandeja que trouxera consigo sobre a mesa, pegando uma colher do mingau na cumbuca e soprando com a boca para esfriar. Ajeitou para que a enferma ficasse sentada e com cuidado colocou a comida em sua boca, limpando com um pano a baba que eventualmente escorria.

– Desculpe-me o atraso Srta. Elissa, o trem teve uma falha e não consegui outro a tempo. – Uma senhora volumosa em roupas brancas e os cabelos bem presos em um coque alto entrava no quarto. – Deixe que eu termine isso para você – ela disse pegando a cumbuca das mãos da outra mulher e tomando seu lugar. Elissa foi até a porta.

– Não se preocupe com o atraso Kátia, fiquei sabendo da situação pelo noticiário. – Ela olhou de soslaio para a acamada e suspirou. – Hoje está um pouco mais difícil que nos outros dias para alimentá-la – ela completou tristonha, a enfermeira a olhou com ternura e acenou positivamente com a cabeça. – Preciso ir trabalhar. Qualquer novidade, por favor, me ligue.

Elissa não conseguia colocar os pensamentos em ordem, estava com a mente confusa e desatenta. Sabia que não podia continuar assim, tinha que arranjar um jeito de estar de volta ao jogo, coisas importantes dependiam dela naquele momento e era crucial que estivesse ali por inteira. A troca de equipes da estação espacial ocorreria em breve e ela ainda tinha muito que fazer para que isso acontecesse, não podia mais ficar naquela inércia.

– Desculpe! – Ela se ajeitou do trombo que dera no homem, não tinha percebido que ele vinha em direção oposta a sua no corredor. – A culpa foi toda minha, eu estava distraída e… – Elissa olhou para o rapaz alto de cabelos cor de fogo que sustentava aquele sorriso contido no rosto e lhe era tão familiar. – Yvon? Já voltou? Ah, Meu Deus! A equipe toda está aqui? Eu não acredito que eu me perdi no prazo e… – O homem a abraçou, interrompendo o seu histerismo.

– Já faz um tempo, não é mesmo Elissa? – ele disse apertando-a mais forte e depois a soltou. – Não se preocupe, eu voltei antes, tenho certeza que você ainda está dentro do prazo, nunca nos deixou na mão antes. – Ela soltou um sorriso débil, sem saber direito o que responder. – Parece que há um novo projeto que querem me colocar e estão com urgência, estou indo saber dos detalhes agora, mas pelo jeito será algo importante. – Elissa olhava abobada para o amigo, não prestava muita atenção ao que ele dizia. Apesar de estar feliz em revê-lo ficou com medo de que estivesse sendo indiferente a sua presença. – Bem, eu tenho que ir! Vamos nos encontrar mais tarde para colocar o papo em dia?

– Claro! Muito bom te ver Yvon – foi o que conseguiu responder. Por sorte parecia que Yvon não havia se importado com os seus modos, pois ele soltou um sorriso carinhoso antes de voltar a fazer o seu caminho, levando Elissa a fazer o mesmo. Quando já estavam afastados Yvon olhou uma última vez para a amiga e parou.

– Elissa… – Ela virou para trás ao escutar o seu nome. Ele a analisou por um tempo antes de continuar. – Como ela está? – finalmente soltou a pergunta e a amiga somente balançou a cabeça com um olhar triste, Yvon entendeu na mesma hora o que estava acontecendo. – Me avise se tiver algo que eu possa fazer por você! – Ela sorriu e não disse mais nada. Os dois voltaram a fazer os seus caminhos.

Naquela mesma noite a doença venceu a longa batalha contra a mãe de Elissa. Há um ano ela tinha sido diagnosticada com um tipo raro de câncer no pâncreas que lhe deu mais seis meses de vida. Ela lutou com bravura, até mesmo conseguiu ultrapassar as expectativas que lhe foram estipuladas, mas a doença foi implacável e quando viu que não teria mais condições de ganhar seu único pedido fora ter seus últimos dias no aconchego de seu lar. Elissa tirou alguns dias de licença após a morte da mãe, mas acabaram lhe pedindo para voltar antes em caráter de urgência. Todos que a encontravam no corredor diziam que sentiam muito e pediam desculpas por ela ter que trabalhar naquele momento, contudo ela achava que estavam lhe fazendo um favor, era muito melhor ter a mente ocupada naquele momento do que ficar em casa remoendo os acontecimentos. Uma das meninas que trabalhava no setor de tecnologia a chamou dizendo que alguns membros da diretoria a aguardavam na sala de reuniões. Elissa não sabia o que esperar do encontro, tinha consciência de que estava com alguns dos trabalhos mais importantes atrasados, porém todos sabiam da sua situação. Além disso, já havia se programado para entregá-los o quanto antes, não havia motivos para ser repreendida.

Ela olhava petrificada para todos os ocupantes da sala e ficou assim por algum tempo. Yvon pigarreou quebrando o silêncio.

– É muita coisa para ela processar no momento, com tudo o que aconteceu… – ele tirou os olhos da amiga e se voltou para a diretoria. – Podemos dar alguns dias para ela pensar no assunto? – ele completou. Na mesma hora a loira balançou a cabeça negando. Aquilo era loucura, uma insanidade, e era justamente o que precisava. Acordou do torpor e fixou o olhar no amigo.

– Estou dentro. Quando partiremos?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s